O sexo virtual é melhor do que o sexo real?

Com os meios da realidade virtual somados à transferência de sabores e à capacidade de explorar sensações táteis, o sexo virtual é projetado para ser ilimitado no futuro. Espera-se que seja vendido nos Estados Unidos e Japão desde 2002, uma novidade: uma cadeira em dois modelos, um masculino e um feminino, onde os usuários podem fazer sexo à distância. Funciona assim: você senta-se e liga o seu pênis a um aparelho redondo em forma de cilindro. Já ela insere um dispositivo cilíndrico na vagina, que está preso à cadeira. Vamos olhar para as opções. Cada um se adapta à sua maneira e a masturbação intratubárica é uma masturbação bilateral realizada com vibradores complexos.

Outra ferramenta sexual remota já foi realizada pela maior empresa de entretenimento adulto do mundo, a Vivid. Era uma vestimenta de neoprene, como os utilizados pelos surfistas, com 32 eléctrodos integrados que são colocados sobre as partes sensíveis do corpo. Em sua tese, ele teria criado um sexo virtual muito realista. O pedido tem dois grandes problemas: ainda não foi aprovado para venda nos Estados Unidos e custa 200.000 dólares. Por este preço, muitas pessoas ainda deveriam preferir métodos mais práticos para melhorar sua vida sexual, como a compra de carros importados.

Isso vai parar o sexo?

Por mais divertidas que sejam as ferramentas do sexo virtual, é pouco provável que acabem com o desejo louco por sexo que trouxe a nossa espécie para onde ela está. Mas para o psicanalista Fabio Herrmann, o sexo virtual individual se tornará tão trivial que muitas pessoas acabarão enojadas com as relações carnais. “As pessoas já estão substituindo o sexo tradicional por erotismo virtual, relacionamentos pessoais e masturbação”, disse ele. E algumas pessoas acham as previsões de Nostradamus pessimistas.

Então porque temos de fazer sexo?

Com o rápido crescimento do progresso da reprodução assistida em laboratório, o sexo significará mais e mais descanso e menos reprodução. Desde o nascimento do primeiro tubo da inglesa Louise Brown, em 1978, existem cerca de 100.000 crianças nascidas por métodos artificiais só nos Estados Unidos. Para o antropólogo americano Matt Ridley, autor de The Red Queen: Sex and the Evolution of Human Nature, a clonagem de pessoas será um fato da vida até 2025. “A ligação entre a procriação e os órgãos sexuais será quebrada. Será possível recortar um pequeno pedaço do corpo humano e desenvolver a criatura com toda a sua composição genética”, diz ela. “Porque os embriões podem ser melhorados no laboratório, não serão apenas as pessoas que não podem ter filhos que naturalmente procurarão esta tecnologia“. Deste ponto de vista, a única razão pela qual duas pessoas farão sexo dentro de algumas décadas será pelo prazer, o que parece ser razão suficiente.

1 Comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *